A revolução do 25 de Abril de 1974 trouxe a Portugal Liberdade, pondo fim a um longo período de Ditadura fascista de 49 anos. Após 1976 houve retrocessos graves no processo desta revolução, patrocinada por partidos reaccionários de direita tendo como aliados algumas famílias Fascistas. Portugal foi caminhando o trilho de uma sociedade capitalista, geradora de profundas injustiças sociais.



Neste blog iremos denunciar os sistemáticos atentados que todos os dias ocorrem às Liberdades, Direitos e Garantias que herdámos de homens e mulheres que lutaram para que fosse possível o maior acontecimento histórico do século xx em Portugal.



domingo, 2 de maio de 2010

O relatório final dos registos das Interrupções de Gravidez, durante o ano de 2009 efectuadas em Portugal, mostra alguns dados significativos.


"filhos da Abril" :

Relatório

O relatório final dos registos das Interrupções de Gravidez, durante o ano de 2009 efectuadas em Portugal, mostra alguns dados significativos.
Foram cerca de 20.000 os abortos legalmente efectuados, com cerca de 96% resultantes de opção da própria mulher, com a aplicação da Lei 16/2007. A grande maioria (cerca de 70%) foram efectuados em Instituições Públicas (Hospitais e Centros de Saúde).
A Zona Norte integra cerca de 4.000 registos de IVG (Interrupção Voluntária de Gravidez). Realço o número realizado nos Centros de Saúde da Região Norte, únicos no País em que há profissionais que se disponibilizaram e especializaram na IVG por via medicamentosa. Assim no Centro de Saúde de Amarante, houve 67 casos, no Centro de Saúde de Penafiel 197 e no Centro de Saúde de Viana do Castelo 144. Para comparação, registe-se a casuística de outros hospitais da região como o Hospital do Alto Minho com 88 casos, Hospital de S. João com 474, Hospital do Padre Américo com 83 e Maternidade Julio Diniz com 862.
Os aumentos assinalados (variação de 2008 para 2009) são de 5,2%. As repetições, registadas desde a entrada da Lei, são da ordem dos 5%. Não tem havido mortes maternas em 2008 e 2009.