A revolução do 25 de Abril de 1974 trouxe a Portugal Liberdade, pondo fim a um longo período de Ditadura fascista de 49 anos. Após 1976 houve retrocessos graves no processo desta revolução, patrocinada por partidos reaccionários de direita tendo como aliados algumas famílias Fascistas. Portugal foi caminhando o trilho de uma sociedade capitalista, geradora de profundas injustiças sociais.



Neste blog iremos denunciar os sistemáticos atentados que todos os dias ocorrem às Liberdades, Direitos e Garantias que herdámos de homens e mulheres que lutaram para que fosse possível o maior acontecimento histórico do século xx em Portugal.



segunda-feira, 29 de agosto de 2011

MUSP - "Redução das comparticipações financeiras para aquisição de medicamentos"

Nota à Imprensa (MUSP)

"Redução das comparticipações financeiras para aquisição de medicamentos"

Lisboa, 25 de Agosto de 2011

O Governo de forma muito pouco ética e muito cínica, anunciou publicamente que à custa da redução das comparticipações financeiras para aquisição de medicamentos já poupou cerca de 85 milhões de euros desde que tomou tal medida.

Tal como em outras áreas ou sectores dos serviços públicos, as decisões tomadas ou as medidas aplicadas tiveram sempre como preocupação central a componente financeira em prejuízo dos direitos dos utentes e populações, opção que revela com evidência que interesses e objectivos defende e promove o actual Governo PSD/CDS/PP.

A redução dos gastos com a aquisição dos medicamentos acontece por duas ordens de razões, a primeira à custa do valor que os utentes passaram a ter de suportar, a segunda porque devido a tais valores há muitos utentes que pura e simplesmente optam por adquirir parte dos medicamentos ou mesmo não adquirem nenhum, com os consequentes problemas de saúde que estas situações acarretam para os mesmos.

Insensível a tais situações e aos encargos financeiros suplementares que a Segurança Social e o próprio País têm de suportar, o Governo através do Ministro da Saúde afirmou que as reduções financeiras na aquisição dos medicamentos são para continuar, e o valor das taxas moderadores e dos actos médicos são para aumentar, alguns já aumentaram mesmo, sempre com o argumento da redução do défice público e para cumprimento das exigências impostas pela troika estrangeira aos submissos governos anterior e actual com a conivência dos partidos PS/PSD e CDS/PP mais Presidente da República.

Pelas razões descritas o Movimento de Utentes dos Serviços Públicos - MUSP manifesta a sua firme oposição a tais decisões, exortando em simultâneo as respetivas comissões e populações a que se manifestem em igual sentido.

Grupo Permanente do MUSP