A revolução do 25 de Abril de 1974 trouxe a Portugal Liberdade, pondo fim a um longo período de Ditadura fascista de 49 anos. Após 1976 houve retrocessos graves no processo desta revolução, patrocinada por partidos reaccionários de direita tendo como aliados algumas famílias Fascistas. Portugal foi caminhando o trilho de uma sociedade capitalista, geradora de profundas injustiças sociais.



Neste blog iremos denunciar os sistemáticos atentados que todos os dias ocorrem às Liberdades, Direitos e Garantias que herdámos de homens e mulheres que lutaram para que fosse possível o maior acontecimento histórico do século xx em Portugal.



sábado, 17 de setembro de 2011

Saúde: Utentes de Felgueiras descontentes com falta de médicos manifestaram-se junto à câmara

Utentes da saúde, fartos de serem desprezados, começam a protestar por todo o País

Felgueiras 16 set (Lusa) - Cerca de duas centenas de utentes do centro de saúde de Felgueiras, descontentes com a falta de médicos no concelho, marcharam hoje até à câmara municipal e exigiram da autarquia uma posição mais forte sobre a matéria.

Munidos de cartazes, com frases de denúncia a propósito do sofrimento dos doentes, os manifestantes foram recebidos à porta dos Paços do Concelho pelo vice-presidente da câmara, João Sousa, a quem entregaram um documento.

O vereador ouviu Júlio Antunes, representante dos utentes, apelar a um maior empenho da autarquia para tentar solucionar o problema, que disse ser "dramático".

Júlio Antunes reafirmou que o número de clínicos no concelho é insuficiente, garantindo haver cerca de 60 por cento da população sem médico de família.

Nos meses de férias, a situação agravou-se, tornando ainda mais difícil a situação que já existia, decorrente da aposentação de vários médicos que prestavam serviço no centro de saúde de Felgueiras e nas suas extensões.

O vice-presidente da autarquia disse que a situação preocupa todo o concelho, revelando que o presidente da câmara, Inácio Ribeiro, aguarda para ser recebido pelo ministro da Saúde para tratar da insuficiência de médicos.

João Sousa referiu também que o município tem contactado, nas últimas semanas, a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), sensibilizando-a para a gravidade da situação, mas daquele organismo tem sido dito que, por estar demissionário, aguardando uma nova direção, nada pode fazer.

O autarca prometeu que, na próxima semana, a comissão de utentes será recebida pelo presidente da câmara para articularem posições.

Antes de rumarem aos Paços do Concelho, os manifestantes tinham-se concentrado junto ao centro de saúde.

Entre os manifestantes encontravam-se sobretudo idosos e pessoas com doenças crónicas, que gritavam insistentemente: "Queremos mais respeito".

À agência Lusa foram contando situações pessoais, como o caso de João Ferreira, que diz estar, conjuntamente com a esposa, sem médico de família.

"Em vim aqui três vezes desde junho, tenho uns exames para mostrar, e não temos quem nos atenda", contou.

Outra utente, Fernanda Peixoto, disse ter passado uma noite inteira para ser atendida de manhã.

À agência Lusa, Inês Pereira, que diz sofrer de problemas numa anca, queixa-se das dificuldades para ser atendida no centro de saúde.

Há mais de uma décadas que os responsáveis políticos no concelho reclamam da tutela a colocação de mais médicos.

Recentemente, uma fonte da ARS, questionada pela Lusa sobre o assunto, reconheceu o problema, mas disse que tudo está a ser feito para colocar mais médicos no concelho, o que poderá acontecer com a contratação de novos clínicos.

"É uma situação de está a ser equacionada", disse a fonte.

APM.

Lusa/fim