A revolução do 25 de Abril de 1974 trouxe a Portugal Liberdade, pondo fim a um longo período de Ditadura fascista de 49 anos. Após 1976 houve retrocessos graves no processo desta revolução, patrocinada por partidos reaccionários de direita tendo como aliados algumas famílias Fascistas. Portugal foi caminhando o trilho de uma sociedade capitalista, geradora de profundas injustiças sociais.



Neste blog iremos denunciar os sistemáticos atentados que todos os dias ocorrem às Liberdades, Direitos e Garantias que herdámos de homens e mulheres que lutaram para que fosse possível o maior acontecimento histórico do século xx em Portugal.



quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Festa do Avante - Loures 1988 e 1989‏

   1988

 
Um ano sem festa foi como um sábado sem sol. E aí estávamos em Loures, uma mudança difícil mas com êxito, para terrenos de autarquia CDU. Preparava-se o XII Congresso e os tempos corriam difíceis, já o mostravam sinais nas exposições da cidade internacional. A par da reflexão que as realizações políticas mostravam, a Festa não esmorecia. Comemoravam-se os Descobrimentos. E, sinal de modernidade, entrava lá a nova realidade das rádios locais. E o vídeo.

1989

Loures 1989

Logo ali, em Loures, foi com extraordinário entusiasmo que os militantes comunistas, os trabalhadores e o povo adquiriram os Títulos de Comparticipação emitidos pelo Secretariado do PCP no âmbito da campanha de fundos, cujo objectivo era angariar os 150 mil contos desembolsados na compra. Mas a grande explosão de alegria deu-se no comício de encerramento da Festa.



Perante centenas de milhares de pessoas, Álvaro Cunhal lembrou que apesar da importância que a Festa do Avante! Assumia na vida portuguesa, consolidando-se como a maior iniciativa político-cultural de massas, «têm procurado contrariá-la, através de inúmeras dificuldades, e particularmente a de um grande terreno para a sua realização.

Quinta da Atalaia


Quinta da Atalaia


«Estivemos um ano sem fazer a Festa, e por fim conseguimos alugar este terreno (..) aqui em Loures. Fizemos a primeira, e estamos a fazer a segunda, mas creio que, não apenas no nosso Partido, mas em todos os democratas, em todos aqueles que têm visto o valor desta Festa do Avante!, surgiu uma outra ideia: é preciso acabar com esta situação», sublinhava Álvaro Cunhal.
«Até de helicóptero foram feitas prospecções em torno de Lisboa», revelava o secretário-geral do PCP antes de confirmar o que já todos esperavam: « É no concelho do Seixal, são 25 hectares. É um terreno bonito, formoso, junto ao rio, que tem urbanização, e pensamos que as festas que aí iremos realizar terão condições para ser belíssimas festas, num ambiente aprazível, onde nos sentiremos bem, além do mais porque ninguém nos pode tirar de lá!».
A multidão respondeu num grito uníssono: «É nosso! É nosso!».